TENDINITE DO MANGUITO ROTADOR E SUA RELAÇÃO COM ATIVIDADES LABORAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Bruna Vitoriano Silva, Marcos Rogério Madeiro de Almeida, Maria Josiane da Silva Santos

Resumo


As lesões degenerativas e traumáticas que afetam o manguito rotador estão entre as mais constantes causas de dor no ombro, sendo considerado hoje um grupo de patologias que exigem um cuidado multidisciplinar. A tendinite do manguito rotador é a causa mais comum de dor crônica no ombro em adultos, sendo o músculo supra-espinhoso a estrutura que mais sofre sobrecarga. O presente estudo tem como objetivo geral quantificar através de uma revisão integrativa da literatura, os trabalhos encontrados no Brasil e no exterior sobre a relação da tendinite do manguito rotador com atividades laborais. Trata-se de um estudo do tipo exploratório-descritivo, com natureza qualitativa, utilizando revisão da literatura, e os descritores “ombro”, “manguito rotador, “tendinite, e “DORT. Realizou-se uma revisão bibliográfica em duas importantes bases de dados LILACS e PubMed, abrangendo o período de 2001 a 2015. Através dos descritores utilizados, foram encontrados um total de 127 artigos, dos quais, verificou-se que apenas 15 atendiam aos critérios de inclusão e exclusão. No que se diz respeito aos idiomas, 5 eram da língua inglesa e 10 da língua portuguesa. A partir da revisão bibliográfica dos estudos encontrados conclui-se que os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho podem surgir a partir da associação de fatores intrínsecos e extrínsecos, e que a etiologia da patologia em questão é multifatorial. Em relação ao sexo, estudos apontam que o sexo feminino é frequentemente o mais acometido, e que essa prevalência se dá em detrimento da exposição do gênero a cargos que ofereçam risco às lesões.

Palavras-chave


Ombro. Tendinite. Manguito Rotador. DORT.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, M. C. B.; OTA, N. H. O afastamento do trabalho por LER/DORT: repercussões na saúde mental. Rev Ter Ocup. Univ. São Paulo, v. 22, n. 1, p. 60-67, jan./abr. 2011.

ALMEIDA J.S.; CARVALHO F.G.; PASTRE, CARLOS M.; LAMARI N.M.; PASTRE E.C.; Afecção do tendão supra-espinal e afastamento laboral. Ciênc. saúde coletiva, v.13 n.2, p. 517-522, abril 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

BARBOSA, M. S. A.; SANTOS, R. M.; TREZZA, M. C. S. F.; A vida do trabalhador antes e após a Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e Doença Relacionada ao Trabalho (DORT). Rev Bras Enferm, Brasília, v. 60, n. 5, p. 491-496, set/out. 2007.

CAETANO, V. C. et al. Processo saúde-doença: um estudo das representações sociais de trabalhadores com DORT. Rev de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 1047-1062. 2012.

COELHO, C. T. et al. Prevalência da síndrome do ombro doloroso (SOD) e sua influência na qualidade de vida em professores de uma instituição privada de nível superior na cidade de Lauro de Freitas, Bahia. Rev Baiana de Saúde Pública. Bahia, v. 34, supl. 1. P. 19-29, jul/dez. 2010.

COSTA, A. Metodologia Científica. Santa Catarina: Mafra, 2006.

DALBOSCO, C. Incidência de síndrome de impacto do ombro em atletas de voleibol. Cascavel, 2004, 87 f. Monografia. (Trabalho de Conclusão de Curso do curso de Fisioterapia do Centro de Ciências e da Saúde). Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

DE ALMEIDA, J. S.; CARVALHO FILHO, G.; LAMARI, N. M. Rotator cuff disease: aspects and implications. Int. J. Morphol. São Paulo, v. 23, n. 4, p. 381-385. 2005.

FROTA, M. A.; FILGUEIRAS, M. C.; XIMENES, L. B. Percepção de servidores municipais frente ao diagnóstico de distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p.345-8, out./dez, 2008.

GIORGI, S.; SARACINO, M.; CASTAGNA, A. Degenerative disease in rotator cuff tears: what are the biochemical and histological changes?. Joints, v. 2, n. 1, p. 26–28, jan-mar.2014.

GARZEDIN, D. D. S.; et al. Intensidade da dor em pacientes com síndrome do ombro doloroso. Acta Ortop Bras. Bahia, v. 16, n. 3, p. 165-167. 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

LECH, O.; NETO, C. V.; SEVERO, A. Tratamento conservador das lesões parciais e completas do manguito rotador. Acta Ortop Bras, Rio Grande do Sul, p. 8, v. 3, jul/set, 2000.

MAEDA, E. Y. et al. O ombro em uma linha de produção: estudo clínico e ultrassonográfico. Rev Bras Reumatol. São Paulo, v. 49, n. 4, p.375-386. 2009.

MELCHIOR, M. et al. Why are manual workers at high risk of upper limb desordens? The role of physical work factors in a random sample of workers in France (the Pays de la Loire study). Occup Environ Med, France, v. 63, p. 754-761, jun.2006.

MENDONÇA Jr, H.P.; ASSUNÇÃO, A. A.; Associação entre distúrbios do ombro e trabalho: breve revisão de literatura. Rev Bras Epidemiol, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p.167-176, 2005.

NEVES, I. R. LER: trabalho, exclusão, dor, sofrimento e relação de gênero. Um estudo com trabalhadoras atendidas num serviço público de saúde. Cad Saúde Pública., Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1257-1265, jun. 2006.

ROQUELAURE, Y. Active epidemiological surveillance of musculoskeletal desordens in a shoe factory. Occup Environ Med., France, 59, p. 452-458. 2002.

SACCO, I. C. N.; TANAKA, C. Cinesiologia e biomecânica dos complexos articulares. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

SAMPAIO, R.F.; MANCINI, M.C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v.11, n.1, p.83-89, jan/fev, 2007.

SIENA, C.; HELFENSTEIN Jr, M. Equívocos diagnósticos envolvendo as tendinites: impacto médico, social, jurídico e econômico. Rev Bras Reumatol., São Paulo, v. 49, n. 6, p. 712-725. 2009.

SILVA, M. S. P.; CATÃO, M. H. C. V.; AMORIM, J. A. Health problems due to dental practice at the public servisse of Campina Grande / PB / Brazil. Bras Dent., Paraíba, v. 15, n. 1, p. 68-73, jan/mar. 2012.




Direitos autorais 2017 Revista Expressão Católica Saúde


ISSN: 2525-8540 | eISSN: 2526-964X

Indexadores
Este periódico está licenciado sobre a Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações CC BY-ND. Mais detalhes na página da licença