ROTULAGEM DOS ALIMENTOS COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO À SAÚDE

Mayara Lopes Estevão, Larissa Pereira Aguiar

Resumo


É relevante a leitura da rotulagem dos alimentos por parte do consumidor, como ferramenta de auxílio na escolha de alimentos mais saudáveis e por consequência, visando à diminuição da prevalência das Doenças Crônicas Não Transmissíveis. O estudo constitui-se de uma revisão bibliográfica. Foram selecionados, por meio de busca eletrônica, resoluções federais, legislação e artigos das bases de dados do Ministério da Saúde, Google acadêmico e Scientific Electronic Library Online (SCIELO), publicados no período de 2002 a 2014. Os descritores utilizados para recuperar os estudos foram rotulagem de alimentos, rótulos, alimentos, transição nutricional, doenças crônicas não transmissíveis e saúde pública. Através desses descritores foi possível adquirir uma visão ampla sobre a rotulagem de alimentos e sua relação direta com a saúde pública e a possível redução de doenças. Observou-se que, com a urbanização, houve um aumento da ingestão de gorduras, açúcar, sódio, conservantes através do consumo de alimentos industrializados, bem como a prevalência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis como o Diabetes, e a hipertensão. Assim sendo, a leitura das informações nutricionais está intimamente relacionada a uma alimentação mais saudável e equilibrada, proporcionando assim, ao consumidor uma melhor qualidade de vida.

Palavras-chave


Rotulagem de alimentos. Saúde pública. Informação nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLETTO, A. P. Rótulo nutricional ou bicho de sete cabecas? Revista Idec. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2015.

BRASIL. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

______. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação aos consumidores Alimentos. Brasília: Universidade de Brasília, 2008, 5p. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/rotulos/manual_consumidor.pdfAcesso em: 25 out. 2015.

______. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informe técnico nº 50/2012. Teor de sódio dos alimentos processados. 2012. Disponível em: .Acesso em: 10 mai. 2015.

______. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998. D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo. Brasília, DF, 16 de janeiro de 1998.

______. Resolução - RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo. Brasília, DF, de 23 de setembro de 2002.

______. Resolução - RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento Técnico de Porções de Alimentos Embalados para Fins de Rotulagem Nutricional. D.O.U - Diário Oficial da União; Poder Executivo. Brasília, DF, de 26 de dezembro de 2003.

______. Resolução - RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados. D.O.U - Diário Oficial da União; Poder Executivo. Brasília, DF, de 26 de dezembro de 2003.

______. Resolução– RDC nº 26, de 02 de julho de 2015. Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. D.O.U - Diário Oficial da União; Poder Executivo. Brasília, DF, 03 de julho de 2015.

HAWKES, C. Informação Nutricional e Alegações de Saúde: o cenário global das regulamentações / Organização Mundial da Saúde; tradução de Gladys Quevedo Camargo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2015.

LONGO-SILVA, G; TOLONI, M. H. A; TADDEI, J.A.A.C. Traffic light labeling: Traduzindo a rotulagem de alimentos. Revista de Nutrição 2010; v. 23,n. 6, p. 1031-1040. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015.

MONTEIRO, R. A. et al. Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por frequentadores de supermercados em Brasília, Brasil. Rev Panam Salud Publica, v.18, n.3,PP.172–77, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2014.

PONTES, T. E.et al. Orientação nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propagandas, embalagens e rótulos. Rev. paul. pediatr. [online]. 2009, vol.27, n.1, pp. 99-105. Disponível em: . Aceso em: 15 abr. 2015

PROTESTE – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. Cartilha da Alergia Alimentar. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2015.

TARDIDO, A. P., FALCÃO, M. C. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. RevBrasNutrClin 2006; 21(2):117-24. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2015

VIDIGAL, F. Quando peixe, milho e até leite não são saudáveis. Agência Senado, Senado Notícias. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2015.




Direitos autorais 2017 Revista Expressão Católica Saúde


ISSN: 2525-8540 | eISSN: 2526-964X

Indexadores
Este periódico está licenciado sobre a Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações CC BY-ND. Mais detalhes na página da licença