O BRINCAR NO ATENDIMENTO EM PSICANÁLISE EM UMA CLÍNICA ESCOLA DO SERTÃO CENTRAL

Iara Fernandes Teixeira, Francisca Sheyla Granja Saldanha, Érika Teles Dauer

Resumo


O brincar sempre foi interpretado por Freud como uma expressão da realização de desejo de uma criança, pois, originalmente, não se pensava em neurose e psicopatologia na infância. A evolução da clínica infantil de base psicanalítica é construída por diversos teóricos, mas nesta pesquisa trabalharemos essencialmente com a noção winnicottiana do brincar, com a sua obra O brincar e a realidade (1975), bem como com teóricos da atualidade que discorrem sobre o papel do brincar no atendimento com crianças, também sinalizando para essa obra como um importante marco teórico. O presente estudo trata-se de uma pesquisa bibliográfica que encontrou como ponto de partida as frequentes demandas apresentadas nos atendimentos infantis realizados durante a disciplina de Estágio Profissionalizante do curso de Psicológica da Unicatólica. É a partir do brincar que é possível se comunicar com os pequenos pacientes e interpretar suas necessidades, as quais muitas vezes não são compreendidas pelas demais pessoas. Ademais, complementaremos tais resultados teóricos com o que foi vivenciado em nossa experiência do estágio em clínica psicanalítica, tendo em vista a enorme demanda infantil do serviço de psicologia aplicada – SPA e, consequentemente, o elevado número de atendimentos infantis realizados pelos estagiários do serviço. Conclui-se que as formulações winnicottianas mostraram-se válidas não apenas em clínicas que trabalham a partir do modelo tradicional, ao contrário, todo processo de referencial psicanalítico pode encontrar como método o brincar, deste modo proporcionando um setting criativo, espontâneo e acolhedor para o trabalho psicoterápico infantil.

Palavras-chave


Brincar. Psicanálise infantil. Winnicott.

Texto completo:

PDF

Referências


FELICE, E. M. de; O lugar do brincar na psicanálise de crianças. São Paulo: Psicologia: Teoria e Prática, 2003. p. 71 – 79.

FRANCO, S. de G. O brincar e a experiência analítica. São Paulo: Ágora, Vol. VI. n. 1, 2003. p. 45 – 59.

FREUD, S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

________. Além do princípio do prazer (1920). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

________. Análise da fobia de um menino de cinco anos (1909). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. VIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

SEI, M. B; CINTRA, M. F. V. Psicanálise de crianças: Histórico e reflexões atuais. In: Revista da Universidade Ibirapuera. São Paulo: Universidade Ibirapuera, Vol. 5, 2013.

SCHMIDT, M. B; NUNES, M. L. T. O brincar como Método Terapêutico na Prática Psicanalítica: Uma Revisão Teórica. In: Revista de Psicologia da IMED, Vol. 6, n. 1, 2014. p. 18 – 24.

WINNICOTT, D. W. O brincar – uma exposição teórica. In: Winnicott, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

________. O brincar – A atividade criativa e a busca do Eu (Self). In: Winnicott, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.




Direitos autorais 2017 Revista Expressão Católica Saúde


ISSN: 2525-8540 | eISSN: 2526-964X

Indexadores
Este periódico está licenciado sobre a Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações CC BY-ND. Mais detalhes na página da licença