ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS E IMUNOLÓGICOS DA INFECÇÃO POR MYCOBACTERIUM TUBERCULOSIS

Ilana Lima Lopes, Saulo Almeida de Menezes, Yara Sousa Dutra, Lilian Cortez Sombra Vandesmet

Resumo


A tuberculose (TB) foi isolada pela primeira vez em 1882, por Robert Koch (1843-1910), que identificou o Mycobacterium tuberculosis (Mtb) como o agente etiológico desta patologia. O objetivo do presente trabalho foi relatar os principais aspectos microbiológicos, bem como imunológicos, envolvidos na infecção pelo Mtb. A revisão foi realizada com base em trabalhos científicos e livros que abordassem o tema em questão. A pesquisa foi feita utilizando as bases de dados: Google Acadêmico, SciELO e LILACS. As palavras chaves utilizadas foram: “Tuberculose”, “Mycobacterium tuberculosis” e “Imunologia da tuberculose”. O critério de inclusão utilizado foi: trabalhos que abordassem aspectos gerais referentes à microbiologia e imunologia do Mtbou pertinentes ao assunto. Como critérios de exclusão, os trabalhos que não apresentassem resumos na íntegra nas bases de dados pesquisadas não foram contemplados nesta revisão. Nesta pesquisa foi possível perceber que, por ser um patógeno intrace­lular aeróbico, o bacilo da tuberculose é capaz de sobreviver, crescer e de se multiplicar no interior de células fagocitárias. A maioria das pessoas infectadas não desenvolve imediatamente a doença. Entretanto, a infecção pode persistir por anos e o indivíduo pode acabar desenvolvendo-a, permanecendo sob um estado de latência. A realização desta revisão bibliográfica é de extrema importância no auxilio às futuras pesquisas com o MtbDessa forma, faz-se necessário a realização de mais estudos científicos, na busca por novos tratamentos que minimizem os efeitos da doença no organismo dos portadores, além de estimular medidas que reduzam a taxa de abandono do tratamento.

Palavras-chave


Tuberculose. Mycobacterium tuberculosis. Imunologia da tuberculose.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, R. M. C. M. Tuberculose Humana causada pelo Mycobacterium bovis: considerações gerais e a importância dos reservatórios animais. 1998. 318 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo, São Paulo.

BARNES, A. I.; ROJO, S.; MORETTO, H. Prevalencia de micobacteriosis y de tuberculosis en pacientes de un hospital de referencia de la provincia de Córdoba. Revista Argentina de Microbiologia, v. 36, n. 4, 2004.

BASTOS, M. L. S. Aspectos clínicos, bacteriológicos e imunológicos da associação da infecção pelo HTLV-1 com a tuberculose pulmonar. 2012. 126 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina. Universidade Federal da Bahia, Bahia.

BOMBARDA, S.; FIGUEIREDO, C. M.; FUNARI, M. B. D. G.; SOARES-JURNIOR, J.; SEISCENTO, M.; TERRA-FILHO, M. Imagem em tuberculose pulmonar. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 27, n. 6, p. 329-40, 2001.

BROOKS, G. F.; BUTEL, J. S.; MORSE, S. A. Microbiologia Médica. 22. ed. Porto Alegre: AMGH, 2005.

BROOKS, G. F.; CARROLL, K. C.; BUTEL, J. S.; MORSE, S. A.; MIETZNER, T. A. Microbiologia Médica. 26. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

CAMPOS, H. S. Etiopatogenia da tuberculose e formas clínicas. Pulmão RJ, v. 15, n. 1, p. 29-35, 2006.

CAMPOS, R.; PIANTA, C. Tuberculose: histórico, epidemiologia e imunologia, de 1990 a 1999, e co-infecção TB/HIV, de 1998 a 1999, Rio Grande do Sul–Brasil. Boletim de Saúde, v. 15, p. 61-71, 2001.

CARVALHO, L. G. M. D.; BUANI, A. Z.; ZÖLLNER, M. S. A. D. C.; SCHERMA, A. P. Co-infecção por Mycobacterium tuberculosis e vírus da imunodeficiência humana: uma análise epidemiológica em Taubaté (SP). Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 32, n. 5, p. 424-429, 2006.

DESAI, K.; MALEK, S.; MEHTALIYA, C. Comparative study of Z-N staining v/s fluorochrome stain from pulmonary & extra-pulmonary tuberculosis. Gujarat Medical Journal, v. 64, n. 2, p. 32-34, 2009.

GUTHIE, W.; KITUI, F.; JUMA, E. S.; OBVANA, D. O.; MWAI, J.; KWAMANGA, D. A comparative study on the reliability of the fluorescence microscopy and Ziehl-Neelsen method in the diagnosis of pulmoner tuberculosis. The East African Medical Journal, v. 70, p. 263-266, 1993.

KRITSKI, A. L.; LAPA E SILVA, J. R.; CONDE, M. B. Tuberculosis and HIV: renewed challenge. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 93, n. 3, p. 417-422, 1998.

LAIFANGBAM, S.; SINGH, H. L.; SINGH, N. B.; DEVI, K. M.; SINGH, N. T. A comparative study of fluorescent microscopy with Ziehl-Neelsen staining and culture for the diagnosis of pulmonary tuberculosis. Kathmandu University Medical Journal, v. 70, n. 3, p. 226-230, 2009.

MANRIQUE, W. G.; CLAUDIANO, G. S.; FIGUEIREDO, M. A. P.; PETRILLO, T. R.; MORAES, J. R. E.; DE MORAES, F. R. Myxosporidiosis in intensively-reared Piaractus mesopotamicus: histopathological diagnosis by means of Ziehl-Neelsen staining. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 32, n. 11, p. 1133-1137, 2012.

MENDES, A. M.; FENSTERSEIFER, L. M. Tuberculose: porque os pacientes abandonam o tratamento?. Boletim de Pneumologia Sanitária, v. 12, n. 1, p. 27-38, 2004.

MOREIRA J.; FOCHESATTO J. B.; MOREIRA A. L; PEREIRA M.; PORTO N.; HOCHHEGGER B. Pneumonia tuberculosa: um estudo de 59 casos confirmados microbiologicamente. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 37, n. 2, p. 232-237, 2011.

MURRAY, P. R.; ROSENTHAL, K. S.; PFALLER, M. A. Microbiologia Médica. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

NUNES, E. A.; CAPITANI, E. M.; COELHO, E.; PANUNTO, A. C.; JOAQUIM, O. A.; RAMOS, M. C. Doença pulmonar por Mycobacterium tuberculosis e micobactérias não-tuberculosas entre pacientes recém-diagnosticados como HIV positivos em Moçambique, África. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 34, n. 10, p. 822-828, 2008.

OLIVEIRA, H. B.; MOREIRA-FILHO, D. C. Recidivas em tuberculose e seus fatores de risco. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 7, n. 4, p. 233, 2000.

SILVA, J. R. L.; BOÉCHAT, N. O ressurgimento da tuberculose e o impacto do estudo da imunopatogenia pulmonar. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 30, n. 4, p. 478-84, 2004.

SILVEIRA, J. M.; SASSI, R. A. M.; OLIVEIRA-NETTO, I. C. D.; HETZEL, J. L. Prevalência e fatores associados à tuberculose em pacientes soropositivos para o vírus da imunodeficiência humana em centro de referência para tratamento da síndrome da imunodeficiência adquirida na região sul do Rio Grande do Sul. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 32, n. 1, p. 48-55, 2006.

SOUZA, M. V. N.; VASCONCELOS, T. R. A. Fármacos no combate à tuberculose: passado, presente e futuro. Química Nova, v. 28, n. 4, p. 678-682, 2005.

TEIXEIRA, H. C.; ABRAMO, C.; MUNK, M. E. Diagnóstico imunológico da tuberculose: problemas e estratégias para o sucesso. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 33, n.3, 2007.

TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L. Microbiologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

TRABULSI, L. R.; ALTHERTUM, F. Microbiologia. 6. ed. São Paulo: Atheneu, 2015.

UJVARI, S. C. História da humanidade contada pelos vírus, bactérias, parasitos e outros microrganismos. São Paulo: Editora Contexto, 2008.

ULUKANLIGIL, M.; ASLAN, G.; TASÇI, S. A comparative study on the different staining methods and number of specimens for the detection of acid fast bacilli. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 95, n. 36, p. 855-858, 2000.

VERONESI, R.; FOCACCIA, R. Tratado de infectologia. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2009.




Direitos autorais 2017 Revista Expressão Católica Saúde


ISSN: 2525-8540 | eISSN: 2526-964X

Indexadores
Este periódico está licenciado sobre a Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações CC BY-ND. Mais detalhes na página da licença