A PERCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DE SAÚDE SOBRE O ACOLHIMENTO NO CONTEXTO DA ATENÇÃO BÁSICA

Jardênia Pinheiro da Silva Nobre, João Paulo de Alencar Vieira, Raimunda Rosilene M. Gadelha, Mariza Maria Barbosa Carvalho

Resumo


O acolhimento é uma diretriz da Política Nacional de Humanização (PNH) que possibilita novas formas de fazer saúde. Apesar dos avanços alcançados no campo da humanização, ainda é possível encontrar limitações relativas à sua concretização, tornando-se um dos desafios na legitimação do Sistema Úni- co de Saúde. O estudo objetivou conhecer a percepção dos trabalhadores de saúde sobre o acolhimento no contexto da Atenção Básica. Tratou-se de um estudo de natureza qualitativa, descritivo, desenvolvido em uma Unidade Básica de Saúde(UBS) em Quixadá-CE, com 24 participantes trabalhadores da referida UBS. Para coleta e análise das informações utilizou-se do Discurso do Sujeito Coletivo. A percepção dos profissionais de saúde sobre o acolhimento foi vista enquanto postura, implicando em saber ouvir e/ou escutar atentamente o usuá- rio; receber as pessoas de forma atenciosa; valorizar suas histórias de vida, seus problemas; atender o indivíduo sem restrições, com dignidade e solidariedade, respeitando suas diferenças, solucionando ou minimizando os seus problemas. A demanda de usuários por equipe, que se apresentou superior ao preconizado pelo Ministério da Saúde, bem como a falta de ambiência e de recursos básicos para um adequado funcionamento da UBS revelaram-se como dificuldades rela- tadas pelos atores envolvidos no estudo. Há a necessidade de integração entre cuidado e gestão, uma vez que é princípio da PNH a inseparabilidade entre as esferas da produção do cuidado em saúde, de espaços para os trabalhadores se formarem e refletirem sobre sua prática, e de investimento na implantação da PNH nos serviços, sobretudo na Atenção Básica.

Palavras-chave


Acolhimento. Atenção Primária à Saúde. Saúde Pública. Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BENEVIDES, R; PASSOS, E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Niterói RJ, v. 10, n. 3, p. 561-571, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento à demanda espontânea. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 6. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2012.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica, 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea, 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. 2. ed. 5. reimp. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2010.

______. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários usuários da saúde. Conselho Nacional de Saúde, 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

______. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização - PNH. Brasília; 2004.

CNES - Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde. [homepage na internet]. Sistema e Informação da Atenção Básica. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2015

DE CARLI, R. et.al. Acolhimento e vínculo nas concepções e práticas dos Agentes Comunitários de Saúde. Texto Contexto Enferm., Florianópolis: v. 23,n. 3, p. 626-32, jul./set. 2014..

DUARTE, S.J.H; MAMEDE, M.V; ANDRADE, S.M.O. Opções teórico-metodológicas em pesquisas qualitativas: representações sociais e discurso do sujei- to coletivo. Saúde Soc., 18(4), 620-626; 2009.

FERREIRA, A.B.H. et. al. Novo Aurélio Século XXI. Nova Fronteira; 2000.

FRANCO, T.B; BUENO, W.S; MERHY, E.E. O acolhi-

mento e os processos de trabalho em saúde. Cad Saúde Pública, Betim-Minas Gerais, 2(15), 345-53; 1999.

GOMES, M.C.P.A; PINHEIRO, R. Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface – Comunic Saúde Educ., v. 9, n. 17, p. 287-301, 2005.

GUERRERO, P.M; FERREIRA, A.L.S; ANDRADE, S.R;

ERDMANN, A.L.O acolhimento como boa prática na atenção básica à Saúde. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 132-40, jan./mar. 2013.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A.M. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa desdobramentos. Caxias do Sul: EDUCS; 2003.

MARQUES, E.S; SIQUEIRA-BATISTA, R. Pobreza, injustiça, e desigualdade social: repensando a formação de profissionais de saúde. Rev. Bras. Educ. Med., v. 31,n. 2, p. 278-286, 2007.

MERHY, E.E. Saúde a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2007.

MINAYO, M.C.S. O desafio da pesquisa social. Pesquisa social: teoria, método e criatividade (28); 2007.

MITRE, S.M; ANDRADE, E.I.G; COTTA, R.M.M. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciênc.&Saúde Coletiva, v. 17, n. 8, p. 2071-2085, 2012.

MORAES, P.A; BERTOLOZZI, M.R; HINO, P. Percepções sobre necessidades de saúde na Atenção Básica segundo usuários de um serviço de saúde. Rev. Esc. Enferm., USP, v. 45,n. 1, p. 19-25, 2011

NEVES, M; PRETTO, S.M; ELY, H.C. Percepções de usuários e trabalhadores de saúde sobre a implantação do acolhimento em uma unidade de saúde em Porto Alegre-RS. Brasil Rev Odontol UNESP, v. 42, n. 5, p. 364-371, 2013.

PASSOS, E (coord.). Formação de apoiadores para a política nacional de humanização da gestão e da atenção à saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2006.

RAIMUNDO, J.S; CADETE, M.M.M. Escuta qualifica- da e gestão social entre os profissionais de saúde. Acta Paul Enferm., v. 25, número especial 2, p. 61-7, 2012.

RAMOS, D.D; LIMA, M.A.D.S. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública., 2003; v. 19,n. 1, p. 27-34, 2003.

SAMPAIO, J.J.C. Humanização em Saúde: um problema prático, uma utopia necessária. Fortaleza: Secretaria Municipal de Saúde, Curso de extensão universitária Fortaleza Humaniza SUS, Caderno de Textos, n. 1, p. 07-18, 2005.

SCHIMITH, M.D. et. al. Relações entre profissionais de saúde e usuários durante as práticas em saúde. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 479-503, 2011 nov. 2011/fev. 2012.

SOUZA, E.C.F. et al. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública [online], v. 24, n. 1, p. 100-110, 2008.

TEIXEIRA, J.J.V; LEFEVRE, F. Significado da intervenção médica e da fé religiosa para o paciente idoso com câncer. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 1247-1256, ago. 2008.

WEISZFLOG, W. Michaelis Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. 1. ed. Melhoramentos; 2004.




Direitos autorais 2017 Revista Expressão Católica Saúde


ISSN: 2525-8540 | eISSN: 2526-964X

Indexadores
Este periódico está licenciado sobre a Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações CC BY-ND. Mais detalhes na página da licença