PERFIL DE USUÁRIOS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE MOMBAÇA-CE QUE FAZEM USO DE MEDICAMENTOS ANSIOLÍTICOS

Dalyla D’ Ávila Cavalcante Araújo, Liene Ribeiro Lima

Resumo


O controle de natalidade na década de 60 e diminuição da mortalidade indicam que nas próximas décadas teremos o maior número de idosos entre crianças e adultos até 2050, porém, o crescimento populacional e seu envelhecimento acompanham maior fragilidade fisiológica e emocional. As queixas mais comuns nessa faixa etária são distúrbios de sono e alterações de humor, muitas vezes, relacionada a uma ansiedade, mascarada pelo “mal estar” contemporâneo - a depressão, que acomete de maneira significativa mulheres, acima de 60 anos, com ensino fundamental incompleto. Comumente há a renovação das “receitas azuis” no serviço público sem acompanhamento devido, por isso faz-se necessário maior atenção a esse caso tão comum e aceito na saúde. Objetiva-se reestruturar o cuidado de pacientes com transtornos mentais, vendo reais necessidades do uso de medicamentos ansiolíticos por paciente, a fim de promover uso racional, evitando uma dependência, possivelmente uma crise de abstinência, oferecendo uma melhor adesão ao tratamento. Foi realizada uma pesquisa na Unidade Básica de Saúde- Centro, do município de Mombaça para determinar o perfil de usuários de medicamentos controlados dessa unidade. O grande número de usuários são mulheres de meia idade e idosas que fazem uso de ansiolíticos e os de amplo espectro classificados como antidepressivos tricíclicos, distribuídos na unidade, com números mais significativos que homens e de outras faixas etárias. Atenção primária deve-se constituir de acolhimento dos usuários utilizando os recursos existentes, exige maior solidariedade e integração social, não apenas dispensação de medicamentos, prezando por farmacoterapia correta e saúde como um todo.


Texto completo:

PDF


ISSN: 2358-9124

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.