EU SÓ QUERIA INVENTAR UMA POESIA, EU NÃO PRECISO DE FAZER RAZÃO" – BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE PSICANÁLISE E POESIA

Jomábia Cristina Gonçalves dos Santos, Anna Paula Fagundes

Resumo


O presente trabalho, objetiva realizar uma breve reflexão teórica sobre alguns conceitos da teoria psicanalítica, como inconsciente, linguagem, sujeito, entre outros, através de uma articulação com poemas retirados da obra do poeta brasileiro Manoel de Barros. Freud afirma que o poeta, em seus escritos descarrega seus afetos e tensões inconscientes. Logo, pode-se dizer que tanto a psicanálise quanto a poesia têm em comum a capacidade de proporcionar os sujeitos perceberem o mundo através de uma lógica que não é racional, e sim a lógica do inconsciente.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Manoel. Manoel de Barros – Poesia completa. Editora Leya. São Paulo, 2010.

______. Livro sobre o nada. Editora Record, São Paulo, 1996.

BRUNETTO, Andréa. Um poeta e um castelo. Duas mulheres. Talvez três. Revista Stylete Lacaniano, vol. 1, 2015.

FREUD, Sigmund. Escritores criativos e devaneio, em Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. 9 (1906-1908).

LONGO, Leila. Linguagem e psicanálise. Coleção Passo-a-Passo. Jorge Zahar Editor. Rio de Janeiro, 2006.

OLIVEIRA, Fátima Cristina Monteiro. Uma interface entre psicanálise, sonhos e poesia brasileira. Pulsional: Revista de Psicanálise, vol. 161, 2002.

QUINET, Antônio. As 4+1 condições da análise. Editora Jorge Zahar, 12ª edição, Rio de Janeiro, 2009.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.