EFEITO DA LIBERAÇÃO MIOFASCIAL NA FLEXIBILIDADE DE QUADRIL EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

Francisco Iran da Silva Junior, Messias Bezerra de Oliveira, Kaio Breno Belizario de Oliveira, Rubens Vinícius Letieri

Resumo


A flexibilidade é muito importante para a saúde do indivíduo, observando que ela é uma das capacidades físicas responsáveis por uma maior eficiência no movimento humano, dessa maneira, diversas formas de intervenção buscando a melhora da flexibilidade já vêm sendo estudadas. Nesse pressuposto, investigações sobre a eficiência de técnicas capazes de melhorar capacidades físicas, entre elas, a flexibilidade, são de grande relevância para profissionais da saúde. O objetivo desse estudo busca avaliar o efeito da liberação miofascial na flexibilidade de indivíduos praticantes de atividade física. O estudo caracteriza-se como descritivo, de abordagem quantitativa aplicada transversalmente. A amostra foi composta por 27 indivíduos sendo 16 homens (idade: 23 ± 4,77) e 11 mulheres (idade: 21 ± 3,49). A coleta de dados foi realizada no laboratório de cineantropometria do Centro Universitário Católica de Quixadá – Únicatólica. Realizou-se avaliação da massa corporal e flexibilidade, de maneira aguda. A normalidade dos dados se deu pelo teste de Kolmogorov-Smirnov. Com análise descritiva dos dados, e ainda, foi realizado teste t de student para amostras pareadas, com significância de p ≤ 0,05. Após liberação percebeu-se que houve melhoria semelhante na flexibilidade da perna direita tanto para o sexo masculino (p=0,085) como para o feminino (p=0,002). Já na perna esquerda, o sexo feminino teve resultados significativos (p=0,005). Conclui-se que, a liberação miofascial se mostrou efetiva na melhora da flexibilidade tanto em homens quanto em mulheres.


Texto completo:

PDF

Referências


BADARO, A. F. V.; SILVA, A. H.; BECHE, D. Flexibilidade versus Alongamento: Esclarecendo as diferenças. Revista Saúde, vol. 33, n.1, p. 32-36, 2007.

BERTOLLA, F.; BARONI, B. M.; LEAL JUNIOR, E. C. P.; OLTRAMARI, J. D. Efeitos de um programa de treinamento utilizando o método Pilates na flexibilidade de atletas juvenis de futsal. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, vol.13, n.4, p. 222-226, 2007.

BUSHELL, J. E.; DAWSON, S. M.; WEBSTER, M. M. Clinical Relevance of Foam Rolling on Hip Extension Angle in a Functional Lunge Position. Journal of Strength and Conditioning Research, vol.29, n.9, p. 2397-2403, 2015.

COWEN, V. S.; BURKETT, L.; BREDIMUS, J.; EVANS, D. R.; LAMEY, S.; NEUHAUSER, T.; SHOJAEE, L. A comparative study of Thai massage and Swedish massage relative to physiological and psychological measures. Journal of Bodywork and Movement Therapies, vol. 10, n. 4, p. 266-275, 2006.

FARIAS JÚNIOR, J. C.; BARROS, M. V. G. Flexibilidade e Aptidão Física Relacionada à Saúde. Revista Corporis, vol.3, n.3, 1998.

KUMKA, M.; BONAR, J. Fascia: a morphological description and classification system based on a literature review. Journal of the Canadian Chiropractic Association, vol. 56, n. 3, p. 179-191, 2012.

LOHMAN, T.G.; ROCHE, A.F.; MARTORELL, R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign, IL: Human Kinetic Books, 1988.

MACDONALD, D. Z.; PENNEY, M. D.; MULLALEY, M. E.; CUCONATO, A. L.; DRAKE, C. D.; BEHM, D. G.; BUTTON, D. C. An acute bout of self‐myofascial release increases range of motion without a subsequent decrease in muscle activation or force. Journal of Strength and Conditioning Research, vol. 27, n. 3, p. 812-821, 2013.

MIKKELSON, L.O.; NUPPONEN H.; KAPRIO J.; KAUTIAINEN H.; MIKKELSON M.; KUJALA U.M. Adolescent flexibility, endurance strength, and physical activity as predictors of adult tension neck, low-back pain, and knee injury: a 25-year follow up study.British Journal of Sports Medicine, vol. 40, p. 107-113, 2006.

MOHR, A. R.; LONG, B. C.; GOAD, C. L. Effect of foam rolling and static stretching on passive hip‐flexion range of motion. Journal of Sport Rehabilitation, vol. 23, n. 4, p. 296‐299, 2014.

MOURAD, M. R. Terapia miofascial no tratamento de contusão por trauma direto do trato iliotibial em jogadores de futebol profissional de Osasco. Terapia Manual, vol.3, n.12, p. 431- 437, 2005.

MYERS, T. W. Trilhos anatômicos. 2ª ed. Elsevir, 2010.

REID, D. A.; MCNAIR, P. J. Passive force, angle, and stiffness changes after stretching of hamstring muscles. Medicine and Science in Sports and Exercise. vol. 36, n. 11, p.1944-1948, 2004.

SANTOS, Z. A.; RIBEIRO, R. Efeito do exercício físico na melhora do grau de flexibilidade na articulação dos joelhos em obesos exercitados comparados com obesos sedentários. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, vol. 10, n. 55, p. 20-24, 2016.

ŠKARABOT, J.; BEARDSLEY, C.; ŠTIRN, I. Comparing the effects of self‐myofascial release with static stretching on ankle range‐of‐motion in adolescent athletes. International Journal of Sports Physical Therapy, vol. 10, n. 2, p. 203‐212, 2015.

SPIRDUSO, W. W. Physical dimensions of aging. Human Kinetics; Journal of Aging and Physical Activity, vol. 3, n. 3, p. 314-316, 1995.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.