ASPECTOS PSICOLÓGICOS DE CRIANÇAS FRENTE AOS PROCEDIMENTOS NA CLÍNICA-ESCOLA DE ODONTOPEDIATRIA

Keyssiane Maria de Alencar Lima, Anice Holanda Nunes Maia, Milena Holanda de Oliveira Bezerra

Resumo


A maior dificuldade enfrentada na odontopediatria é a realização de procedimentos com crianças não colaborativas, pois elas apresentam vários comportamentos que dificultam e retardam as intervenções. A psicologia aplicada à odontologia se utiliza de conhecimentos teóricos e técnicos oriundos da psicologia da saúde para avaliar, controlar e modificar comportamentos que emergem nesse cenário dos procedimentos odontológicos. A relevância do estudo justifica-se pela necessidade de descrição de técnicas para diminuir a ansiedade e melhorar o grau de colaboração do paciente, em especial da criança, havendo poucos estudos, em odontologia, que aborde o assunto, vindo a contribuir com os acadêmicos que vivência experiências formativas em contexto da odontopediatria e a ampliação de conhecimento na área. Diante do exposto, este trabalho teve como objetivo principal realizar um estudo de caso múltiplo sobre os aspectos psicológicos apresentados por crianças frente aos procedimentos realizados na odontopediatria da clínica-escola da Unicatólica. Trata-se de um estudo de caso múltiplo, descritivo, qualitativo, de campo sobre os aspectos psicológicos apresentados por crianças frente aos procedimentos realizados na odontopediatria, aprovado pelo CONEP/CEP sob o número 921.889. Durante os procedimentos realizados na odontopediatria, algumas crianças apresentam comportamentos não colaborativos decorrentes do medo, de traumas, e da ansiedade à medida que os procedimentos tornam-se complexos, concomitante intensifica-se o nível de medo e ansiedade.  A importância do psicólogo nesse processo é fundamental, pois ele intervém sobre as demandas reflexas dos procedimentos no psiquismo da criança, pode ainda mediar a relação da criança com a equipe e orientar a família. 


Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Ricardo Wathson Feitosa de et. al. Ansiedade frente ao tratamento odontológico: prevalência e fatores preditores em brasileiros. Pernambuco, Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 7, p. 1915-1922, 2012.

COSTA, L. S. T. Redução de estresse e de não colaboração em pacientes

odontopediátricos: avaliação da eficácia de intervenção psicológica. São Paulo, 2009. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba.

CORTELO, Fernando Marcio et. al. Crianças em atendimento odontológico: arranjos

psicológicos para a intervenção. São Paulo, Omnia Saúde, v. 11, n. 1, p. 01-14, 2014.

DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação - 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2006

ELEUTÉRIO, Adriana Silveira de Lima et al. Homeopatia no controle do medo e ansiedade ao tratamento odontológico infantil: revisão. Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo. v. 23, n. 3, p. 238-244, set./dez. 2011.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa cientifica. Fortaleza: UECE, 2002.

TURATO, E. R. Métodos qualitativos e quantitativos na saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde pública, v. 39, n. 3, p. 507-514, São Paulo, 2005.

MACEDO, Felipe Augusto Faria de Fonseca et. al. Ansiedade Odontológica em um Serviço de Saúde Bucal de Atenção Primária. Pesquisa Brasileira Odontopediatria Clínica Integrada, João Pessoa, v. 11, n. 1, p.29-34, jan./mar. 2011.

MARQUES, Karyne Barreto Gonçalves. Medo e ansiedade prévios à consulta odontológica em crianças. RBPS, Fortaleza, 23(4): 358-367, out./dez. 2010.

MOTA, Luciane de Queiroz Danilo et. al. Humanização no atendimento odontológico. Arq. Odontol, Belo Horizonte, 48(3): 151-158 jul./set. 2012.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.