ANÁLISE QUÍMICA E VERIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE CORTE NA PRODUÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DAS FOLHAS DE ALECRIM PIMENTA

Antônio Gildenberg Queiroz Saraiva, Davi da Silva Lima Silvestre, Manoel Patrick da Silva Cavalcante, Roberto Lima de Albuquerque

Resumo


Várias espécies de plantas com efeitos terapêuticos apresentam importância clínica e são comumente aplicadas em tratamentos ou utilizadas em processos químicos para obtenção de fármacos e excipientes. Dentre essas plantas uma que tem considerável destaque é a Lippia sidoides Cham. (verbenaceae), mais conhecida como Alecrim Pimenta, um arbusto próprio da região nordeste, de caule frágil e folhas aromáticas. Popularmente utilizada como condimento na gastronomia e no tratamento de feridas, tendo ainda ações cientificamente comprovadas como antisséptico, anti-inflamatório e cicatrizante. O alecrim pimenta é uma planta aromática possuidora de óleo essencial que é um produto obtido do metabolismo secundário da planta, e que pode ser extraído através de diferentes técnicas. Diante das diversas atividades medicinais citadas anteriormente, das aplicações e do interesse industrial deste óleo essencial, como por exemplo, a produção de fármacos, foi notada a necessidade de estudar o ciclo circadiano desta planta, avaliando o efeito do horário de corte sobre o rendimento do óleo essencial e variação na concentração de seus constituintes principais. Objetivando ainda a determinação da melhor época da colheita de lippia sidoides cultivada em Quixadá para obtenção da maior quantidade possível de óleo essencial através de hidrodestilação (destilação simples); além de comparar a concentração dos componentes encontrados de acordo com cada horário pré-estabelecido (8:00 às 14:00 horas) por meio de cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas, e verificar se existe alguma relação entre o horário e a época da colheita do alecrim pimenta com sua de taxa produção dos componentes principais do óleo essencial.


Texto completo:

PDF

Referências


ANGELOPOULOU, D.; DEMETZOS, C.; PERDETZOGLOU, D. Diurnal and seasonal variation of the essential oil labdanes and clerodanes from Cistus monspeliens L. leaves. Biochemical Systematics and Ecology, v. 30, p. 189-203, 2002.

BLANCO, M. C. S. G., SOUZA, M. M. S., BOVI, O., MAIA, N. B. O Óleo Essencial. Disponível em: . Acesso em 03 de dez. 2015.

CIOLA, R. Introdução à Cromatografia em Fase Gasosa. São Paulo: Editora Edgard Bucher, 1973.

S. M. O. Costa, T. L. G. Lemos, F. J. K. Monte, F. J. A. Matos. Simpósio de Plantas

Medicinais do Brasil. Águas de Lindóia, São Paulo, 1998.

EUROPEAN PHARMACOPOEIA, 4 ed., Council of Europe: Strasbourg Cedex, 2002, p. 2028.

EMBRAPA. Óleos essenciais e sua extração por arraste a vapor. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 1991.

GUIMARÃES, L. G. Óleos essenciais de lippia sidoides Cham., alomia fastigata (Gardner) Benth, ocotea odorífera (vell.) Rower, mikania glauca Mart. E cordia verbenaceae D.C.: Identificação e quantificação química, caracterização das estruturas secretoras, atividades antioxidante e antibacteriana. 2010. 225 f. Tese (Doutorado em Agroquímica) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.

HUDAIB, M., SPERONI, E., PIETRA, A.M.D., CAVRINI, V. CG/EM evaluation of thyme (Thymus Vulgaris L.) oil composition and variations during the vegetative cycle. Journal of Pharmaceutical and Biomedical Analysis. v. 29, p. 691–700, 2002.

LOPES, N.P.; KATO, M.J.; ANDRADE, J.G.S.M.; YOSHIDA, M. Circadian and seasonal

variation in the essential oil from Virola surinamensis leaves. Phytochemistry, v. 46, n. 4,

p. 689-693, 1997.

LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 544 p.

MACHADO, B. F. M. T.; FERNADES Jr., A. Óleos essenciais: aspectos gerais e

usos em terapias naturais. Cadernos Acadêmicos, v. 3, n. 2, p. 105-127, 2011.

MATOS, F.J.A. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no nordeste do Brasil. Fortaleza: UFC, 2000. 344 p.

______. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 4. ed. Fortaleza: Editora UFC, 2002, 267 p.

MATOS, F. J. A; OLIVEIRA, F. Lippia sidoides Cham. – Farmacognosia, química e farmacologia. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 79, p. 84-87, 1998.

MELO, M. T. P.; RIBEIRO J. M.; MEIRA, M. R.; FIGUEIREDO, L.S; MARTINS, E. R. Teor de óleo essencial de alecrim-pimenta em função do horário de colheita. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.7, p.1166-1169, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 60 p.

NASCIMENTO, I. B; INNECO, R.; MATOS, S. H; BORGES, N. S. S; MARCO, C. C. Influência do horário de corte na produção de óleo essencial de capim-santo (andropogum SP). Revista Caatinga. v.19, n.2, p.123-127, 2006.

SANTOS, A. S.; ANDRADE, E. H. A.; ZOGHBI, M. G. B.; LUZ, A. I. R.; MAIA, J. G. S. Sesquiterpenes on Amazonian Piper Species. Acta Amazonica, v. 28, n. 2, p. 127-130, 1998.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Descrição de Sistema e de Métodos de Extração de Óleos Essenciais e Determinação de Umidade de Biomassa em Laboratório. Belém, 2004.

SIMÕES, C. M. O. et al. Farmacognosia: Da planta ao medicamento.6. ed. Porto Alegre: UFSC, 2007. 1104 p.

STEFFANI, E. Modelagem matemática do processo de extração supercrítica de óleo essencial de Ho-Sho (Cinnamomum camphora Nees e Eberm var. linaloolífera Fujita) utilizando CO2. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2003.

TERBLANCHÉ, F.C; KORNELIUS, G. Essencial oil constituents of the genus Lippia (Verbenaceae): a literature review. Journal of Essencial Oil Research, Carol stream, v. 8, n. 3, p. 471 – 485, May 1996.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.