VULVOVAGINITES DURANTE A GESTAÇÃO E A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO IMEDIATO - UMA REVISÃO DE LITERATURA

Ana Karollaine da Silva, Angelo Daniel Alves Teixeira da Silva, Izabela Maia Barros, Liene Ribeiro de Lima

Resumo


As vulvovaginites são caracterizadas pela inflamação da vagina, vulva e ectocérvice, que provocam sintomas nas mulheres como disúria, dispareunia de introito e apresentam corrimento vaginal geralmente amarelado e fétido. O presente trabalho tem como objetivo analisar a produção cientifica referentes as vulvovaginites que mais acometem as gestantes e identificar as consequências para mãe e para o feto advindas do não tratamento precoce. Diante disso, o estudo trata-se de uma revisão de literatura tendo como base os principais sites de pesquisa científicas como: Bireme, LILACS, Sciello e MEDLINE. Sendo selecionados artigos dos últimos 7 anos. Foi notável durante as pesquisas que as vulvovaginites apresentam uma prevalência considerável durante o período gestacional. Para evitar suas sequelas tanto paras as mães quantos para os fetos, é necessária uma investigação durante as consultas de pré-natal, para que seja possível um diagnóstico precoce. Portanto, conclui-se que a vulvovaginite é considerado um problema de saúde pública que merece uma atenção especial.  Essa atenção não deve ser negligenciada durante a assistência do pré-natal, pois já é comprovado cientificamente suas complicações para a mãe e para o feto, além das grandes chances de se evitar sequelas quando diagnosticado e tratado precocemente.

nas mulheres como disúria, dispareunia de introito e apresentam corrimento vaginal geralmente amarelado e fétido. O presente trabalho tem como objetivo analisar a produção cientifica referentes as vulvovaginites que mais acometem as gestantes e identificar as consequências para mãe e para o feto advindas do não tratamento precoce. Diante disso, o estudo trata-se de uma revisão de literatura tendo como base os principais sites de pesquisa científicas como: Bireme, LILACS, Sciello e MEDLINE. Sendo selecionados artigos dos últimos 7 anos. Foi notável durante as pesquisas que as vulvovaginites apresentam uma prevalência considerável durante o período gestacional. Para evitar suas sequelas tanto paras as mães quantos para os fetos, é necessária uma investigação durante as consultas de pré-natal, para que seja possível um diagnóstico precoce. Portanto, conclui-se que a vulvovaginite é considerado um problema de saúde pública que merece uma atenção especial.  Essa atenção não deve ser negligenciada durante a assistência do pré-natal, pois já é comprovado cientificamente suas complicações para a mãe e para o feto, além das grandes chances de se evitar sequelas quando diagnosticado e tratado precocemente.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, B. N.; GONDIM, A. N. C.; PACHECO, J. S.; PITOMBEIRA, H. C. S.; GOMES, L. F.; VIEIRA, L. F.; DAMASCENO, A. K. C. Sexualidade vivenciada na gestação: conhecendo essa realidade. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 464-473, jul. 2011.

BONFANTI, G.; GONÇALVES, T. L. Prevalência de gardnerella vaginalis, candida spp. e trichomonas vaginalis em exames citopatológicos de gestantes atendidas no Hospital Universitário de Santa Maria- RS. Revista Saúde, Santa Maria, v. 36, n. 1, p. 37-46, jan./jun., 2010.

BRAVO, R. S.; GIRALDO, P. C.; CARVALHO, N. S.; GABIATTI, J. R. E.; VAL, I. C. C.; GIRALDO, H. P. D.; PASSOS, M. D. L. Tricomoníase Vaginal: o que se Passa?. DST - J bras Doenças Sex Transm. Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 73-80. 2010.

CAMPOS, A. A. S.; LEITE, A. P. L.; LISBOA, C. V. F.; ANDRADE, C. C.; BEZERRA, A. F.; MATTAR, R.; SOUZA, E. Estudo comparativo entre o teste do pH e do KOH versus escore de Nugent para diagnóstico da vaginose bacteriana em gestantes. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 34, n. 5, p. 209-14, maio. 2012.

CARVALHO, G. M.; LULA, H. M.; OLIVEIRA, L. R. Diagnósticos e intervenções de enfermagem em ginecologia, obstetrícia e neonatologia. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora; 2010. 240p.

CESAR, J. A.; MENDOZA, R. A.; GONZÁLES, D. A.; MENEZES, E. H. M.; BRINK, G.; POHLMANN, M.; FONSECA, T. M. V. Prevalência e fatores associados à percepção de ocorrência de corrimento vaginal patológico entre gestantes. Cad. Saúde Pública, v. 25, n. 12, p. 2705-271, 2009.

COSTA, M. C.; AZULAY, D. Doenças sexualmente transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. Anais brasileiros de dermatologia, Rio de Janeiro, v. 85, n. 6, p. 767-85, nov./dez. 2010.

LIMA, T. M.; TELES, L. M. R.; OLIVEIRA, A. M.; CAMPOS, F. C.; BARBOSA, R. C. C.; PINHEIRO, A. K. B.; DAMASCENO, A. K. C. Corrimentos vaginais em gestantes: comparação da abordagem sindrômica com exames da prática clínica da enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo 2013; 47(6).

MILHOMENS, P. M.; MACHADO, M. C. A. M.; MORAES, F. C.; BORGES, K. R. A.; DINIZ, M. R. F. Prevalência dos agentes etiológicos das vulvovaginites através de resultados de exames citopatológicos. Rev. Invest. Biomédica, São Luís, 6: 92-102, 2014.

SILVA, J. C.; DEGLMANN, R. C.; COSTA, J. G.; GIACOMETTI, C. Relação entre vaginose bacteriana e prematuridade. FEMINA-FEBRASGO, v. 38, n. 2, p. 80-2. Rio de Janeiro, fev. 2010.

SOUZA, G. N.; VIEIRA, T. C. S. B.; CAMPOS, A. A. S.; LEITE, A. P. L.; SOUZA, E. Tratamento das vulvovaginites na gravidez. FEMINA- FEBRASGO, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, p. 126-8, maio/jun., 2012.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.