RELEVÂNCIA DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES GERIÁTRICOS

Maria Mayalle de Almeida Melo, Synara Cirelle Holanda Ferreira, Sandna Larissa Freitas dos Santos, Maria Luísa Bezerra de Macedo Arraes

Resumo


Envelhecer é um processo contínuo e se caracteriza como porta de entrada para diversas patologias, processos de adoecimento e incapacidades, situações essas que interferem de forma direta na qualidade de vida do idoso, assim mais prevalente na sociedade idosa são as doenças crônicas, o surgimento das mesmas acarreta na necessidade de utilização do medicamento como veículo para amenizar/tratar a patologia em questão. Desse modo tem-se a Atenção Farmacêutica, onde o profissional se torna aliado no tratamento do paciente, objetivando orientá-lo e informá-lo a respeito de tudo que envolve o medicamento, buscando a efetividade da terapia medicamentosa. O presente estudo teve como objetivo avaliar a importância do profissional Farmacêutico no que diz respeito à promoção e manutenção da saúde do idoso, feito com idosos que frequentam a casa de acolhida a idosos Remanso da Paz, em Quixadá-CE, onde utilizou-se como instrumento de coleta de dados um questionário contendo perguntas socioeconômicas, a respeito do conhecimento dos idosos sobre Atenção Farmacêutica e automedicação, a coleta de dados se deu em outubro de 2016, com quatro idosos que estavam presente na instituição no momento da pesquisa. Após análise dos dados coletados, observou-se ausência da figura do profissional Farmacêutico na instituição, bem como o desconhecimento por parte dos idosos com relação ao trabalho realizado pelo profissional. Dessa forma concluiu-se que a ausência do profissional reflete na ocorrência de erros rotineiros e na necessidade de se avaliar a inclusão do Farmacêutico na comunidade, como meio de auxílio e orientação para a população, principalmente de idosos.


Texto completo:

PDF

Referências


BASILE, R. P. A importância da assistência farmacêutica. 2008. Disponível em: . Acesso em: 03 de Maio de 2016.

BEZERRA, T. A.; BRITO, M.A. A.; COSTA, K. N. F. M. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos atendidos em uma unidade básica de saúde da família. Cogitare Enferm. 21(1): 01 - 02. Jan/março, 2016.

BORTOLON, P. C.; KARNIKOWISK, M. G. O.; ASSIS, M. Automedicação versus Indicação Farmacêutica: O Profissional de Farmácia na Atenção Primária à Saúde do Idoso. Revista APS, v. 10, n. 2, p. 200-209, jul./dez. 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde, Resolução nº466 de 12 de dezembro de 2012.

CUENTRO, V. S.; MODESTO, T.; ANDRADE, M. A.; SILVA, M. V. S. Prevalência e fatores associados à polifarmácia em idosos de um hospital público. Revista Contexto & Saúde. Ijuí. Editora Inijuí: v. 16, n. 30 p. 28-35. jan./jun. 2016.

FIDÊNCIO, V. M.; YAMACITA, F. Y. Atenção Farmacêutica ao paciente idoso. V Congresso Multiprofissional em Saúde, 2011.

LUPPI, G.; CARVALHO, M.F.C. Atenção farmacêutica em pacientes geriátricos: uma experiência no Centro de Referência do Idoso. Cadernos. Faculdades Integradas São Camilo; v. 11, p. 90-6, 2005.

MORAES, E. N. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 de Maio de 2016.

PAIM, R. S. P.; LUNELLI, R. P.; ZANCHETT, K.; MENON, P.; COSTA, S.; GIACHELIN, T. Automedicação uma síntese de publicações nacionais. Revista Contexto & Saúde, Ijuí – Editora Unijuí, v.16, n.30, p. 47-54 jan/jun. 2016.

SECOLI, S. R. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev. Brasileira de Enfermagem, vol. 63, n. 01, jan./fev., 2010, p. 136-140.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.