PERFIL DOS CUIDADOS EM SAÚDE BUCAL DOS MORADORES DA COMUNIDADE CAFUNDÓ, CHORÓ-CE

Cláudia Holanda Mendes Maia, Kelvin Saldanha Lopes, Adrícia Kelly Marques Bento, Cosmo Helder Ferreira da Silva

Resumo


A percepção e os cuidados com a saúde bucal interferem diretamente na qualidade de vida dos indivíduos, então os profissionais da área da saúde têm como importante meta instruir os pacientes sobre a importância da correta higienização da cavidade bucal, que consequentemente irá haver uma melhoria na qualidade de vida das pessoas. O objetivo do estudo foi conhecer a percepção e cuidados em saúde bucal dos os moradores da comunidade Cafundó, no município de Choró-CE. Trata-se de um estudo transversal, descritivo e quantitativo. Inicialmente aplicou-se o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e questionário estruturado sobre percepção, cuidados e hábitos de saúde bucal. Participaram do estudo 33 morados da comunidade Cafundó, consistindo 64% (n=21) do sexo feminino e 36% (n=12) do sexo masculino. Dos participantes 60% (n=20) consideraram a sua saúde bucal como boa, 9% (n=3) classifica como ótima, 3% (n=1) como muito boa, 21% (n=7) como ruim e 3% (n=1) muito ruim. Quanto ao uso do fio dental 88% (n=29) não faz o uso. Em relação a quantidade de vezes que realizam a escovação, 40% (n=13) dos participantes escovam seus dentes três vezes ao dia, 30% (n=10) escovam duas vezes, 12% (n=4) escovam apenas uma vez ao dia, 6% (n=2) escovam os dentes após as refeições e 9% (n=3) não escovam os dentes. Com isso, o estudo foi importante para avaliar o conhecimento desta população quanto aos cuidados e a percepção da saúde bucal e, também, promover atividades que venham a esclarecer e ensinar sobre a correta higiene bucal.


Texto completo:

PDF

Referências


AXELSSON P. Na introducion to risk prediction and preventive dentistry. Karsltad, Sweden: Quintessence Publishing; 1999.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Divisão Nacional de Saúde Bucal & Fundação Serviços de Saúde Pública Levantamento epidemiológico em saúde bucal: Brasil, zona urbana, 1986. Brasília, 1988. 3.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Divisão Nacional de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil, 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Brasília, 2011.

NITHILA, A.; BOURGEOIS, D.; BARMES, D. E.; MURTO-MAA, H. WHO Global Oral Data Bank, 1986–96: an overview of oral health surveys at 12 years of age. Bull World Health Org. 1998; 76(3):237–44.

PAULETO, A. R. C.; PEREIRA, M. L. T.; CYRINO, E. G. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciência Saúde Coletiva, 9(1):121-30. 2004.

REISINE, S. T.; BAILIT, H. L. Clinical oral health status and adult perceptions of oral health. Soc Sci Med, 14A:597-605. 1980.

SESI. Serviço social da indústria, departamento nacional. Estudo epidemiológico sobre prevenção da cárie dental em crianças de 3 a 14 anos, Brasília, 1995.

STEELE, J. G.; WALLS, A. W. G.; AYATOLLAHI, S. M. T.; MURRAY, J. J. Major clinical findings from a dental survey of elderly people in three different English communities. Br. Dent J; 180: 17-23. 1996.




ISSN: 2446-6042

© Unicatólica. Todos os direitos reservados.

Este sistema é mantido pelo Núcleo Educacional de Apoio Digital.